“Cultura não é o ‘parente pobre’ do desenvolvimento”

- Diz a Dra. Vânia Pedro, Directora Adjunta para Investigação e Extensão da FEC

Numa conversa tida recentemente com a Directora Adjunta para a Área de Investigação e Extensão da Faculdade de Estudos da Cultura (FEC) do Instituto Superior de Artes e Cultura (ISArC), Vânia Pedro, foram partilhados desafios da FEC sobre o papel da cultura no desenvolvimento de Moçambique.


“Em termos de contribuição para o desenvolvimento do país, esta Faculdade almeja ser um espaço aberto para o debate salutar sobre a cultura, a sua contribuição no desenvolvimento e, acima de tudo para desmistificar a ideia de que a cultura é brincadeira e é o ‘parente pobre’ do desenvolvimento”. Vânia Pedro, acrescentou que é através de reflexões e pesquisas que a FEC  pretende de forma crítica e científica, clarificar o que é a cultura, que debates estão em torno dela e como é que ela pode ser uma alavanca para o desenvolvimento do País.

A Directora Adjunta para a Área de Investigação e Extensão da FEC justificou que é por isso que as diversas linhas de pesquisa da Faculdade reflectem a intenção de contribuir no sentido de mostrar que além da componente “espiritual” ou idealista da cultura, ela tem uma componente material, prática e palpável.  Igualmente, a cultura não deve ser vista como uma fonte de problemas, mas sim como uma fonte de resolução de problemas, na medida em que ela é uma entidade dinâmica, podendo ser transformada em prol do bem da sociedade.

“Queremos produzir conhecimento para melhorar a vida dos moçambicanos. As nossas linhas de pesquisa caminham nessa direcção. Temos linhas de pesquisa como: ‘Cultura e Sociedade’, dentro da qual encontramos: ‘Cultura e Saúde’, ‘Cultura e Educação’ e ‘Cultura e Ambiente’. Outra linha de pesquisa é ‘Cultura e Economia’, que engloba ‘Cultura e Desenvolvimento’, ‘Cultura e Turismo’ e ‘Indústrias Culturais e Criativas’. Temos ainda a linha de ‘Cultura, Política e Identidade Sociocultural’, que inclui ‘Cultura e Legislação’ e ‘o Lugar da Cultura na Política’, o que inclui temas como identidade, moçambicanidade”.